O Candango na Trilha

Eis o relato do desempenho de um jipe Candango na trilha, escrito por Lorival A. Lobe Jr, administrador de empresa têxtil em Blumenau, SC.


DKW CANDANGO - OFF ROAD                

Corria o ano de 1989 e meu pai decidiu comprar um Jeep Ford 1976. O meu sonho de adolescente, estava se tornando real aos 18 anos. Lembro até hoje quando o mecânico que fez a revisão geral foi mostrar como funcionava a tração e a reduzida. Mal chegamos no final do barranco e já tinha certeza que era quilo mesmo que eu queria. O carro estava em excelente estado.

Desta primeira experiência “fora da estrada” até decidir entrar no Jeep Clube de Blumenau, cidade onde nasci e vivo até hoje, em Santa Catarina , não chegaram a passar 3 meses. Logo descobri um universo totalmente novo, com paisagens maravilhosas, muita lama e motores urrando morro acima.

Mas, a lembrança daquele Candango que meu pai tivera uns 10 anos antes não saía da minha cabeça. Decidi perguntar a opinião dos associados sobre o carro, já que na época não tinha feito quase nada com ele, se comparado às trilhas que estava fazendo. Os comentários foram pouco animadores, mas afinal eu estava no templo do Jeep. Não me dei por satisfeito e fui buscar informações fora dali. Quem havia tido contato com o Candango, falava que o carro era melhor que o Jeep, que não tranca o diferencial no atoleiro, etc.

Fui tirar a limpo a história. Naquele mesmo ano achamos um Candango 4, que está com a minha família até hoje. O carro foi todo reformado, mais um ano na oficina. Aquele mecânico até hoje não quer mais me ver, de tanto que coloquei pressão para terminar.

Depois de entregue, intermináveis 1500km sem tração, e sem exageros, para amaciar. Andava de manhã, de tarde e a noite para ir ao trabalho, escola, festas, inclusive sem capota e com pára-brisa baixado (naquela época a polícia era mais tolerante) até no inverno. Coisas da juventude.

 

E chegou o grande dia, ligamos o cardã, estávamos prontos para ir para o mato, já com Santo Antônio, cintos de segurança de três pontos, ganchos para reboque e pneus lameiros novos. Nada mais que o mínimo necessário para ter segurança em qualquer trilha.

Na primeira trilha de teste, somente com um amigo também de Jeep Willys 100% original , nosso primeiro “desafio” foi um riacho. O Jeep passou sem problemas. O Candango passou na ida, mas no percurso de volta dentro do riacho começou a falhar, perdendo força até morrer, independente do meu esforço em manter o giro do motor (já em primeira reduzida) alto. Pior não foi ver água entrando pelos buracos dos pedais, mas ter que agüentar a gozação da equipe do Jeep.

 

 

Tudo bem, um a zero para eles. No próximo riacho o Jeep encalhou em algumas pedras e foi rebocado pela 1ª vez. Mas não parou por aí, um pouco antes do final da trilha, Candango na frente, e com o pé embaixo, passei no último terreno com lama, usando tudo que o milagroso motor dava e mais um pouco. Logo atrás veio o Jeep que mesmo embalado, não passou. Vitória!!! Duas atoladas do Jeep contra uma falha de vedação do Candango. Logo em seguida o Jeep encalhou de um jeito que o Candango sozinho não conseguiu tirá-lo. Fui atrás do meu Pai que trouxe o Jeep Ford, amarração em paralelo e mais o Willys encalhado ajudando e nada. Fomos obrigados a encontrar o único jipeiro que tinha guincho (coisa rara em 1990) para tirar o Willys.

Com a distribuição revisada, foi necessário trocar a junta de vedação da distribuição.

Era hora de encarar as trilhas do Jeep Clube.

Nas primeiras trilhas, uma inexplicável tendência de molhar as velas fez o Candango parecer muito menos capaz do que era, terminando geralmente o dia em dois cilindros. A desconfiança do Candango por parte dos Jipeiros só aumentava.

Problema resolvido, comecei a participar de todas as trilhas possíveis. A maior parte das lembranças são da cara de incredulidade de quem via o Candango pela primeira vez no comboio. E o dia ia passando, passando e como acompanhávamos os Jeeps de igual para igual, ninguém podia falar nada. Elogios ou algum reconhecimento da qualidade do Candango era raro, por mais show que ele estivesse dando.

 

Época dos 4X4 originais, diversas vezes superamos os Jeeps no fora de estrada.
 

Alguns momentos são inesquecíveis:


Subida íngrime, com curva e lama. Todos (como sempre) olhando o Candango subir, giro alto, muita lama jogada para trás e obstáculo vencido. Estaciono e vou ver o Jeep que vinha atrás de nós fazer sua tentativa. Mesmo com pneu superior ao militar original do DKW, (o Jeep tinha um garra aeroflex 6.50, relativamente comum na época) fez várias tentativas mas não conseguiu, e acabou sendo rebocado. Um novato na minha frente pergunta para o jipeiro experiente ”Como é que pode o Jeep não subir com mais pneu que o Candango?” Silêncio da outra parte. Para mim já foi um elogio, ninguém precisava dizer mais nada, os fatos estavam mostrando.

Trilha de reconhecimento, três Jeeps, alguns já muito preparados (os pneus 7,50 já estavam virando moda) mais o Candango. Achamos um desvio, para variar, subida com lama e algumas erosões (o pior inimigo do DKW). Os Jeeps tentaram, tentaram e resolveram desistir, não era possível passar. Pedi para tentar, e ouvi logo: “Lobe, se nós não conseguimos, não adianta nem você tentar!”. Pensei comigo: agora mesmo que eu vou! Estava ficando cansado desses comentários sobre o Candango, e decidi fazer o que fosse possível para provar o contrário. Apesar dos pneus “pequenos”, estava equipado com correntes nas rodas da frente. Primeira reduzida engatada, encarei a subida no gás total. Para espanto de todos, logo fiz a curva e cheguei no lugar onde os Jeeps não passaram. O terreno revirado e a inclinação acentuada, mas por sorte tinha erosões menores que no começo da subida, o que me dava uma chance. Faltando menos de 5 metros para terminar o obstáculo comecei a perder embalo e patinar . Senti que se tivessem correntes nas rodas de trás, podiam dar a tração que estava faltando para completar o trecho, mas não desisti. Ia e voltava tentando achar alternativa de maior atrito, forçando bastante o conjunto. Sem resultado, faltava muito pouco para chegar e continuava patinando. Nesta hora, apareceu um Jipeiro (dos raros que eram simpáticos ao Candango) para ver a situação. Não tive nem dúvida, gritei na hora, com o motor berrando: “ Sobe no capô! Sobe no capô! “, ele não entendeu muita coisa mais resolveu ajudar. Era o que eu precisava, incrivelmente, o peso adicional gerou tração, ou alterou o equilíbrio de peso do carro suficientemente para que, metro a metro, o atoleiro fosse superado. Completei o percurso e retornei pela estrada ao encontro dos jipeiros estupefatos. Imediatamente, formaram fila e resolveram tentar de novo, pois ninguém admitia perder para o Candango. Fui a pé até ao “ponto crítico” para comprovar, 2 Jeeps conseguiram completar o trecho depois de batalhar mais um pouco, seguindo o caminho aberto pelo Candango e suas correntes. Voltamos em silêncio para Blumenau, novamente. Cada vez mais comecei a perceber que as vitórias do Candango (sempre solitário nos comboios) sobre a vasta população de Jeeps e eventuais Toyotas, Engesas e Rural eram facilmente e definitivamente esquecidos por todos. Estranho, não?

 

Trilha em Corupá - SC. Logo na chegada notei que as equipes da cidade, em um Jeep e um Engesa, ambos com pneus fronteira 7,50, olharam desconfiadas para o Candango. Mais tarde me contaram, eles haviam comentado com outros jipeiros de Blumenau que “Aquele Candango não vai passar, vamos ter que rebocar muito!”. Sem problema, já estava acostumado com esse tipo de comentário. Só me dava mais vontade de fazer o DKW mostrar serviço. Como dormimos na cidade, logo cedo estávamos na trilha. Passou o dia e o Candango acompanhou com seus 4 pneus acorrentados os poderosos Jeeps e Engesas com pneus 7,50 fronteira. No final do dia, os jipeiros de Corupá vieram se despedir, dizendo: “Cuida bem desse Candango, ele é valente mesmo, hein!”

 

Impressões no fora de estrada

Suspensão

A primeira característica que se nota no Candango é o conforto. Quem já andou em Jeep, Toyota Bandeirante, tem a nítida impressão que é um automóvel, absorvendo grande parte das irregularidades do terreno e proporcionando um dia de trilha bem agradável, sem cansar excessivamente a “tripulação”, pois mesmo no banco de trás viaja-se confortavelmente. Alias, o fato de ser 4 portas facilita bastante o acesso para os “zequinhas” (3º tripulante na linguagem OFF ROAD).

Porém, as suspensões independentes em todas as rodas têm o inconveniente de limitar drasticamente o curso, o que ocasiona perda significativa da capacidade de tração.

Requer bastante planejamento antes de enfrentar situações de subida com erosão.

Evitá-las ao máximo é o principal mandamento do Candango na trilha. Quando não é possível, um bom navegador ajuda muito, orientando onde colocar os pneus e até mesmo fazendo contrapeso em situações mais críticas. (Foto Erosão)
 

 

 

      

Motor

Apesar da baixa cilindrada e torque, o motor DKW é a parte mais confiável e robusta do veículo. Obviamente, manutenção é fundamental, principalmente no acerto da distribuição e carburador.

O motor garante força suficiente para enfrentar todas as situações fora de estrada, mesmo com os pneus acorrentados, respeitando -se os limites dos 50CV disponíveis.

O ponto a ser considerado é a incapacidade de usar o recurso de freio motor e reduzida para descidas escorregadias (onde o freio normal não seria suficiente). Devido a sua característica dois tempos, o motor mesmo em 1ª reduzida não segura o jipe, sendo necessário um trabalho cuidadoso de freio motor e freio normal.

Câmbio, tração e reduzida

O câmbio do Candango tem engates longos, com marchas curtas que visam o aproveitamento do famoso motor DKW. Requer um pouco de costume com relação à 1ª não sincronizada, que acaba sendo utilizada somente para tirar o veículo da imobilidade.

Pode-se dizer que o Candango têm tração realmente integral. A tração não conta com diferencial central nem com roda livre, permanecendo engatada 100% do tempo. Isso pode ser sentido em manobras em piso seco, onde se usa todo o diâmetro de giro, com o jipe ficando “amarrado”, em virtude da diferença de traçado dos dois eixos “forçando” o câmbio.

A reduzida é extremamente versátil, podendo ser engatada inclusive em movimento. É importante frisar que este movimento ao qual me refiro é dentro das trilhas, nada tem a ver com veículos modernos que engatam tração em velocidades altas.

Várias vezes entrei em obstáculos ganhando velocidade em 1ª normal e engatei a 1ª reduzida em movimento, com facilidade, pois a reduzida é acionada com uma pequena alavanca no painel. Infelizmente, o conjunto de transmissão de força como um todo do Candango não apresenta a mesma robustez e confiabilidade do motor e chassis, requerendo um uso mais comedido que o Jipe poderia oferecer. Um dos problemas mais freqüentes percebidos na utilização fora da estrada era o rompimento das coifas das rodas, mesmo utilizando a proteção de metal original para evitar a perfuração.

Candango x Off roads modernos

Acredito que este é o ponto mais polêmico, portanto lembro que este artigo não tem o objetivo de ser a última palavra sobre o assunto, até porque não tenho instrumentos para comprovar minhas impressões.

 

 

 

Se considerarmos uma trilha “virgem”, (sem facões de pneu fronteira, onde qualquer 4X4 sem esses pneus altos vai ficar) e usando correntes, o Candango acompanha quem quer seja, mas no seu ritmo peculiar, em virtude do pequeno motor e da suspensão limitada.

Pode parecer impossível para os Off Roaders modernos, que estão acostumados com motores turbo, pneus fronteira de todos os tamanhos e larguras e diferenciais bloqueados.

Mas, para os pioneiros, que sentiram o gostinho de enfrentar trilhas só com pneus originais, não existe obstáculo que um bom Candango, (bem manutenido e equipado com guincho, manilhas, patescas, cabos de aço e o mais importante, um bom companheiro) não supere, nem que leve (ótimo!) uma hora a mais de planejamento e bom trabalho de equipe.

Pois, o que realmente importa no fora de estrada é o contato com a natureza, o companheirismo, e preservar o Veículo para os próximos obstáculos, trilhas e anos.

 

 

 

Resumo

O Candango é um Off road leve, capaz de enfrentar grandes desafios ou só fazer o desfile de final de semana. Infelizmente, hoje em dia é uma temeridade voltar a usá-lo fora de estrada, em virtude da dificuldade de encontrar peças e manutenção para seu câmbio.

É meu parceiro de grandes aventuras por 16 anos, parceiro de muitas brigas no jeep Clube, (defendendo a honra da nossa marca amada) viagens e muitos outros bons momentos.

Quem já andou, têm ou já teve um Candango sabe, não dá para esquecer !

 

Página Principal