CANDANGO no Brasil 

 

Meses antes de começar a produzir o primeiro automóvel nacional, a Vemag já anunciava que tinha planos para produzir um "Jipe DKW-Vemag", conforme pode ser visto na noticia ao lado, publicada no jornal Correio da Manhã (RJ), no dia 01 de dezembro de 1955.

O protótipo mostrado ao presidente JK nessa ocasião era um MUNGA fabricado na Alemanha.

A denominação inicial do MUNGA produzido no Brasil era, de fato, "Jipe DKW-VEMAG".

Este era o termo utilizado nos primeiros manuais de proprietário, chamados de "Manual de Instruções" pela Vemag.

 

 

 

 

O modelo produzido no Brasil era cópia do Munga-4 alemão.

Digno de nota foi a solução adotada pelos projetistas da Vemag para as 4 portas introduzidas no modelo brasileiro.

Alguns dos primeiros Jipes DKW (pre-Candango) produzidos no Brasil (modelo 1958) apresentavam a disposição clássica para a abertura das 4 portas, conforme pode ser observado nas fotos dos jipes acima e ao lado.

Esta disposição porém, foi logo abandonada em favor da abertura da porta dianteira conforme utilizada nos automóveis DKW daquela época, também chamada de "suicida", isto é, invertida em relação à que conhecemos atualmente.  

 

 

 

A grade dianteira do jipe também sofreu uma modificação estilística: os primeiros modelos 58 ainda possuíam uma grade idêntica ao do modelo alemão, a qual foi logo substituída por outra, mantendo-se porém o quebra-mato.

 

A partir do modelo 61, o quebra-mato foi suprimido  da grade dianteira, numa tentativa de amenizar o estilo fora-de-estrada do jipe.

 

Outras diferenças entre o modelo brasileiro e o alemão foram as seguintes:

 

- O pneu estepe do Jipe DKW foi fixado no centro da parte traseira do veículo, no Munga-4 ele era fixado mais à direita, deixando espaço para a colocação de um camburão de gasolina.

 

- O Jipe DKW saía de fábrica sem sinalização de direção, possuía apenas uma lanterna traseira, fixada no lado esquerdo da parte traseira, que iluminava também a placa de licença do veículo. No Munga-4, as lanternas (com sinalização de direção) eram embutidas nos dois pára-choque traseiros.

 

 

No primeiro ano de produção em massa do Jipe DKW, em 1958, a Vemag patrocinou um "raid" de mais de 25.000 km por 800 cidades em 18 Estados brasileiros.

O "raid" Brasil-Norte-Sul era uma ação de marketing para promoção do novo veículo fora-de-estrada da Vemag, lançado em fevereiro de 1958.

A partida do "raid" ocorreu em 16 de abril, no Rio de Janeiro, com a presença do presidente da republica, que novamente encontrará a expedição em Brasilia, meses depois, conforme foto ao lado.

Clique aqui para ler a reportagem sobre a passagem do Jipe DKW por Curitiba (1958) e o depoimento do jornalista Audálio Dantas sobre o "raid".                     

 

 

O jipe foi lançado com motor de 900cc, mas a partir de 1959 foi produzido com o motor 1000cc acompanhando a evolução que ocorrera na motorização do modelo alemão.

O folheto ao lado anunciava o novo "motor 1000".

Clique aqui para ler o conteúdo completo do folheto de lançamento do Jipe DKW com motor 1000.

 

Em 1960, a Vemag homenageia os trabalhadores que construíram Brasília e passa a designar o produto como "Candango".

 

 

 

Neste ano (1960) houve outra modificação importante no projeto do veículo.

 

 

 

A moderna tração integral permanente nas 4 rodas do Candango, não tinha agradado àquele consumidor brasileiro que utilizava o jipe em ambientes urbanos, acostumado à tração inserível nas rodas dianteiras dos modelos concorrentes.

Para atingir a faixa de consumidores que utilizavam o jipe Candango predominantemente no asfalto, muitas vezes até retirando o eixo cardã de maneira a "desligar" a tração traseira (deixando o jipe "mais solto"), a Vemag lançou em 1960 o Candango-2, com tração apenas nas rodas dianteiras. E o modelo com tração integral passa a chamar-se então Candango-4.

No Salão do Automóvel de 1960, a Vemag apresentou o Candango Arpoador. Era praticamente um “carro-conceito” e revelava os estudos em andamento para o lançamento de uma versão de veraneio do jipe Candango.

O Arpoador consistia numa alegre versão praiana, que evocava alguns modelos em voga na Europa à época. Capota em forma de pálio e bancos forrados em tecido xadrez eram as características mais marcantes.

 

 

 

O Candango Arpoador nunca foi comercializado, mas deu origem ao Praiano, esse sim vendido algum tempo depois.

O Praiano foi uma variante do Candango-2 introduzida pela Vemag em 1962.


Como o próprio nome indica, era indicado para atividades de lazer em uso urbano e no litoral.


O modelo, disponível na cor azul claro, possuía rodas de aro 15 e era oferecido sem portas e capota.


O Praiano da foto ao lado foi retirado de um anuncio publicitário da Vemag de 1962.
 

 

       

 

 

 

No Salão do Automóvel de 1962, a Vemag apresentava outra novidade em relação ao Candango-2, o modelo Candango-2D, com alavanca de cambio na coluna de direção (foto à esquerda), rodagem menor (4 1/2 x 15), suspensão especial, cambio totalmente sincronizado, eixo traseiro rígido, revestimento e capota especiais, e cor branco/perola.

 

Tal como o Arpoador, o Candango-2D nunca chegou a ser comercializado.

 

 

 

A Vemag fabricou 7.848 unidades do jipe DKW-Candango durante os seis anos que esteve em linha de produção regular, de 1958 à 1963.

 

A quantidade produzida anualmente foi a seguinte:

 

Modelo Jipe DKW Candango
Ano 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963
Unidades Produzidas 8 1174 1968 2481 1582 615 20

 

 

 

ANUNCIOS PUBLICITÁRIOS

Clique aqui para ver os anuncios publicitarios do Jipe DKW Candango

 

 

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO JIPE DKW CANDANGO

Clique aqui para ver o Manual de Instruções do Jipe DKW Candango

 

 

Página Principal